A Indústria 4.0, também chamada de 4ª Revolução Industrial, é um movimento de transformação que vem revolucionando a forma como as empresas fabricam, melhoram e distribuem seus produtos.

O seu foco é promover a digitalização das atividades industriais, melhorando a eficiência e os processos e também aumentando a produtividade. Um mercado cujo potencial estimado de criação de valor para fabricantes e fornecedores é de US $3,7 trilhões até 2025, segundo projeção da consultoria McKinsey.

A Indústria 4.0 engloba um amplo sistema de tecnologias avançadas como: inteligência artificial, robótica, internet das coisas e computação em nuvem, que estão mudando as formas de produção e os modelos de negócios no Brasil e no mundo.

A imagem a seguir mostra a evolução das Revoluções Industriais ao longo da história:

 

São exemplos de tecnologias utilizadas na Indústria 4.0:

  • Inteligência artificial (IA): Aplicação de análise avançada e técnicas baseadas em lógica, incluindo aprendizado de máquina, para interpretar eventos, analisar tendências e comportamentos de sistemas, apoiar e automatizar decisões e realizar ações.
  • Robótica avançada: Os robôs fornecem cada vez mais serviços e estão se tornando mais autônomos, flexíveis e cooperativos. Dessa forma, irão interagir uns com os outros e trabalhar com segurança junto com os humanos (são os chamados “cobotics”).
  • Big data e data analytics: “Big data” se refere aos gigantescos armazenamentos digitais de informações, velocidade e variedade. A análise de big data otimiza a qualidade da produção, economiza energia e melhora os serviços, permitindo a tomada de decisões em tempo real.
  • Cibersegurança: Os protocolos de conectividade e comunicação estão se tornando a norma. Sistemas sofisticados de gerenciamento de identidade e acesso à máquina serão usados para fornecer comunicações seguras e confiáveis.
  • Cloud computing (Computação em nuvem): É qualquer coisa que compreenda a transmissão de serviços hospedados pela Internet. Esse serviço faz com que a empresa não necessite mais de uma infraestrutura de TI em sua unidade.
  • Fabricação aditiva: Tecnologias de impressão 3D serão escolhidas por seu alto desempenho na produção de pequenos lotes de produtos customizados.
  • Internet das Coisas Industrial: É uma rede imensa de coisas e pessoas conectadas, que coletam e compartilham dados sobre a maneira como são utilizadas e sobre o ambiente ao seu redor. Cada vez mais, organizações de diversos setores estão utilizando essa rede para operar com mais competência, compreender melhor os clientes, a fim de oferecer um serviço aperfeiçoado, melhorando a tomada de decisões e aumentando o valor dos negócios.
  • Realidade aumentada: Essas ferramentas fornecerão aos operadores as informações em tempo real de que precisam para tomar decisões mais rápidas e para melhorar os processos de trabalho.
  • Simulação: Vai aproveitar os dados em tempo real para espelhar o mundo físico em um modelo virtual que incluirá máquinas, produtos e humanos.

Quais os benefícios da Indústria 4.0?

Algumas indústrias ainda acreditam que a Indústria 4.0 tem ferramentas muito complexas, extremamente caras e que só as grandes empresas internacionais conseguem ter acesso a esse novo modo de produção. Porém, estão enganadas.

Os principais ganhos com essa implementação para as empresas incluem:

  • Redução de custos: o número de funcionários nas empresas irá diminuir, pois as máquinas/sistemas (tecnologia baseada em nuvem) irão fazer o trabalho dessas pessoas. Assim, o trabalho é executado mais rápido e com menor custo.
  • Operações em tempo real: com a tecnologia será possível operar em tempo real, auxiliando em grande escala a tomada de novas decisões da empresa.
  • Manufatura modular: as máquinas poderão ser alteradas/reprogramadas com facilidade. Dessa forma, a flexibilidade nos processos de produção será maior, facilitando a criação de novos produtos ou alterando produtos já existentes.
  • Operações integradas: com a adoção de sistemas ciber-físicos, as fábricas ficarão mais inteligentes e a infraestrutura será capaz de estabelecer contato com a cadeia de fornecedores e clientes, tendo assim, uma demanda mais sincronizada.
  • Otimização: com a otimização da indústria 4.0, a empresa que utiliza os dispositivos inteligentes não terá tempo ocioso, já que as máquinas não precisam de descanso como as pessoas. Assim, a produção será maior, com menor custo e mais facilidade, não precisando da mão de obra humana.

Desafios da Indústria 4.0 no Brasil

A indústria brasileira representa hoje menos de 10% do PIB nacional. Entre 2006 e 2016, a produtividade do setor caiu mais de 7% no Brasil (no Índice Global de Competitividade da Manufatura, caímos da 5º posição em 2010 para a 29º posição em 2016).

O mundo todo vem adotando as tecnologias da Indústria 4.0 para tornar as empresas mais competitivas e o Brasil também precisa avançar. É uma evolução que não podemos deixar de fazer parte.

Por aqui, o cenário ainda é bastante heterogêneo, com empresas tão avançadas quanto às europeias, e outras ainda paralisadas. Para essas últimas, há poucas esperanças, pois, a esta altura, os empresários já deveriam ter clareza sobre o quanto as tecnologias estão transformando os negócios. 

O Brasil ainda está pouco preparado para a adoção em larga escala da Indústria 4.0, tendo em vista aspectos estruturais, educacionais e culturais.

Reconhecendo a importância do tema, em 2017 o Governo Federal, por meio do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e da Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), lançou a Agenda Brasil para a Indústria 4.0, conjunto de iniciativas que visam promover o desenvolvimento da Indústria 4.0 no país.

Por fim, a indústria 4.0 aos poucos vem se tornando uma realidade por aqui. Tudo indica que, em um futuro próximo, esse movimento se tornará ainda mais presente na rotina dos negócios, promovendo diversos benefícios para quem a implementar.